Crédito, produtividade, armadilhas, controle
Consumo

Armadilhas do crédito: saiba como lidar com os diferentes tipos de cartão

O cartão de crédito se popularizou nos últimos anos e trouxe benefícios inegáveis. Ele permite fazer compras pela internet com facilidade e pagar itens de maior valor com segurança. Para alguns, é até símbolo de status. No entanto, é preciso tomar muito cuidado para não cair nas armadilhas do crédito e acabar entrando numa dívida cara e difícil de sair.

Confira nossas dicas para não cair nestas furadas!

Você precisa mesmo de mais de um cartão de crédito?

Você entra em uma loja de um grande varejista, não demora nada e uma vendedora aparece perguntando se você não quer fazer o cartão da loja e ganhar um desconto na primeira compra.

No posto de combustível oferecem um cartão que dá desconto na compra de combustíveis. Ou um no qual você acumula pontos e tem desconto na hora de comprar o carro de uma determinada marca. As possibilidades são muitas. Tem até cartão de time de futebol!

Dá para notar que atualmente existem muitos tipos de cartão de crédito, não mais apenas aqueles vinculados ao banco em que você tem conta-corrente. Mas será que você precisa de tudo isso?

Com vários cartões, a chance de gastar mais e perder o controle também aumenta. Quando falamos em desconto temos a sensação de que estamos gastando menos, mas a verdade é que, para ter um desconto, você precisa comprar alguma coisa. Ou seja, no fim é um estímulo ao consumo.

Você conhece as taxas que cada cartão cobra?

  • Anuidade: a maioria dos cartões de crédito cobra anuidade, mas atualmente já existem várias opções sem essa taxa. Pode valer a pena trocar seu cartão e economizar o valor, mesmo que o cartão não tenha um programa de benefícios.
  • Crédito rotativo: se você não pagar a totalidade da fatura, ainda vai pagar o rotativo do cartão, que tem taxas de juros muito altas. Recentemente o governo mudou as regras do rotativo e agora só é possível pagar menos do que o valor total da fatura por um mês. Portanto, fique de olho, porque não é mais possível rolar a dívida eternamente.
  • Parcelamento da fatura: embora possa parecer uma vantagem, muitas vezes os juros do parcelamento da fatura são quase tão altos quanto os do crédito rotativo. Além disso, parcelamentos podem comprometer uma fatia importante do seu orçamento pessoal por um longo período e, na prática, tornam você mais “pobre”, ou seja, com disponibilidade financeira menor.
  • Compras internacionais: você faz uma compra em dólares, mas a cobrança na fatura é em reais, e não é com a taxa de câmbio da data da compra nem com o dólar comercial. A forma como essa cobrança é feita e a taxa que ela utiliza está especificada no contrato do cartão. Por isso, informe-se! Além disso, compras em moeda estrangeira também sofrem incidência de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras).

Então, qual é a saída?

Para não cair nas armadilhas do crédito, precisa de uma boa dose de autoconhecimento. Se você é do tipo disciplinado, pode estabelecer um bom sistema de controle. Por exemplo, se você tem R$ 2000 para gastar mensalmente com despesas cotidianas, como mercado, café, farmácia e afins, pode fazer um controle mensal da sua fatura, sabendo que não pode gastar mais do que R$ 500 por semana.

Agora, se você sabe que não tem esse nível de organização, pode ser uma boa ideia tirar o cartão de crédito da carteira e deixar na gaveta. Assim você só usa em caso de necessidade mesmo, como viagens e sites só aceitam essa forma de pagamento.

Agora que você já sabe como não cair nas armadilhas do crédito, assine a nossa newsletter e receba mais dicas para suas finanças pessoais!

Você pode gostar
Saiba as melhores épocas de promoção em e-commerce e loja física
Descubra 4 dicas para se dar bem ao morar em república

Deixe seu comentário

Seu Comentário*

Seu Nome*
Seu Site

Share This